2007-11-22

Dia 51

Dia 51:
Futilidades.
Sinto-me um pouco preso aqui e a única saída possível é a janela. Obviamente era necessário voar como os pássaros ou morcegos, esquilos voadores ou mesmo insectos esquisitos. Não me importava de voar como os heróis de banda desenhada desde que não fosse o super-homem. A verdade é que ele nunca voou embora fosse o que “eles” queriam que eu acreditasse. O super-homem possuía capacidades fora do normal mas tudo isso provinha da gravidade menor da Terra por isso apesar de todas aquelas proezas o seu voo não era nada mais do que uma capacidade para saltar mais longe e alto que qualquer humano. E vê-se logo pelo personagem que se ele vivesse em Kripton não passaria de um zé-ninguém como eu, ainda que fosse filho de membros do jet7 kriptoniano.
Preferia que fosse o meu pai a construir o meu par de asas como Dédalo fez com Ícaro. Assim podia fugir desta caixa que é o meu labirinto. Contudo nem voaria muito perto do Sol nem muito perto do mar porque já conheço o desfecho. Pobre Ícaro, aposto que se fosse agora ele nunca se aproximaria muito do Sol (Hélios/Apolo) porque já descobrimos que pode provocar queimaduras extensas na pele (e derreter cera).
Podia sair daqui de helicóptero, dirigível ou avião mas penso que nenhum deles poderia aterrar no meu telhado e eu não gostaria de subir aquelas escadas que se desenrolam para salvar vítimas; um salto de pára-quedas não ajudaria muito desta altura e não me sinto bem a voar de asa-delta ou parapente.
Por estas causas e devido ao mau tempo que se faz sentir lá fora tenho mesmo que ficar aqui dentro…enfim…
Sei para onde voaria se pudesse.

2 comentários:

CinemaUML disse...

ha ya... nunca tinha olhado p o super homem desse ponto de vista... pois é... ::P

Hum... se eu pudesse voar................................................... ...

*

Marioneta Pateta disse...

(o comentario anterior foi meu. n tinha reparado q tava c o mail da faculdade...)

***