2007-10-16

Dias 14/15

Dia 14:
Fui visitar o meu Interior… vivi um dia no meu Subconsciente…
Dia 15:
Olho para as paredes.

Persigo as sombras com o olhar.

Olho para as paredes.

Sigo com o olhar as sombras.

Olho para o chão.

Vejo o meu fantasma.

Eu sou o fantasma que está no chão.

Olho para a rua.

Sigo os fantasmas que nela caminham.

Olho para a rua.

Sou o fantasma que os observa.

1 comentário:

B. disse...

no dia 15 as paredes não foram paredes. não houve sequer dia 15 nem paredes. a rua é a ideia abstracta do distanciamento ao lugar quente onde não estamos.
tambem não houve fantasmas porque não houve corpo.
Que olhos teremos que nos vemos? Que olhos teremos?
nós não somos para enquanto para nós; enquanto um 'eu'. Um NÒS/EU existe quando existem olhos de sal que nos cicatrizam as feridas de sangue; quando existem olhos de sol - onde somos, finalmente, iluminados.

este 'EU' não é quem escreve estas palavras: é aqueloutro do outro lado da rua sem paredes nem rumos que faz palavras cruzadas.

PS: convida me para um copo um dia destes...
B